Candidata-te!
21 de Dezembro de 2017.
Christmas time
23 de Dezembro de 2017.
Estudantes poderão perder o complemento de alojamento em Janeiro.

Os estudantes bolseiros que beneficiem de complemento de alojamento terão até ao fim deste mês para apresentarem os comprovativos de pagamento de alojamento referente ao período compreendido entre Setembro e Dezembro de 2017. Caso não o façam em tempo útil, incorrem no risco de, a partir de Janeiro de 2018, poderem ficar privados deste apoio.

Tendo em conta que os pagamentos das Bolsas de Estudo são efectuados nos últimos dias de cada mês, sendo que, pelo carácter especial, a estimativa para o mês de Dezembro é que o pagamento seja feito no dia 27, implica que os alunos terão apenas 3 dias úteis para a regularização do pagamento e consequente apresentação do respectivo comprovativo, o que, no entender da Académica da Madeira, é absurdo e demonstra que esta é uma medida completamente inaceitável, sobretudo quando cerca de 25% dos candidatos a Bolsa de Estudo, a nível nacional, ainda aguardam a decisão sobre a sua candidatura.

Esta solicitação, pelo seu carácter inédito, poderá ser consequência da falta de planeamento por parte da tutela, sendo os estudantes os principais prejudicados por toda esta situação. Actualmente, a nível regional, são cerca de 60 os estudantes da Universidade da Madeira que, à semelhança de muitos outros a nível nacional, agora se deparam com este potencial obstáculo à prossecução normal dos seus estudos.

A Académica da Madeira repudia a forma como todo este processo foi executado, tendo já entrado em contacto com várias estruturas associativas do país e encontrando-se solidária com o comunicado elaborado, abaixo transcrito, que ilustra a situação lamentável que a tutela impôs aos estudantes bolseiros. Aguardamos, portanto, por esclarecimentos da Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES), no sentido de repor a justiça social para os nossos colegas.

Comunicado

ESTUDANTES COM PRESENTE DE NATAL ENVENENADO!

A dias da celebração da consoada, e com a pausa letiva do Natal à vista, os estudantes bolseiros deslocados que frequentam o ensino superior encontram-se a ser contactados pelos Serviços de Ação Social de diversas Instituições de Ensino Superior, que lhes estão a solicitar os pagamentos do alojamento e apresentação dos respetivos comprovativos até ao final do presente mês.

Este procedimento é a primeira vez que se realiza nos últimos anos letivos, e é justificada pela DGES como um procedimento na sequência da prestação de contas perante os fundos comunitários que financiam a Ação Social.

A missiva enviada aos Serviços de Ação Social indicava que os bolseiros, que não tivessem saldadas as suas dívidas perante as Instituições, teriam o complemento de alojamento reduzido a zero euros e a possibilidade de ser efetuado um acerto de contas que poderia resultar em diminuição drástica no valor da bolsa de estudos.

Este acontecimento que até ao momento não apresenta qualquer enquadramento legal veio surpreender os presidentes das estruturas subscritoras deste comunicado, que repudiam tal tomada de posição perante da DGES e da tutela que permitiu esta ocorrência. Urge uma solução urgente para este problema, e, por esse motivo, exigimos uma resposta por parte do MCTES e da Direção-Geral do Ensino Superior.

Destacamos ainda que este é mais um facto do desinvestimento verificado no Ensino Superior, em particular da Ação Social em Portugal, que depende ao momento de fundos europeus, reduzindo cada vez mais a responsabilidade do estado no apoio aos estudantes carenciados e colocando ainda mais pressão no orçamento das famílias portuguesas. Acima de tudo condicionando o futuro da frequência do Ensino Superior em Portugal!

Enquanto dirigentes estudantis, criticamos o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior por não ter até ao momento previsto esta situação, obrigando muitos estudantes a alterarem a gestão dos apoios que lhes foram concedidos para assim priorizarem o pagamento do alojamento evitando perder este apoio inserido na Bolsa de Estudos.

É igualmente notório a inexistência de conhecimento por parte da tutela, que até ao momento desconhecia tal obrigação e que após ter atualizado a plataforma de bolsas no presente ano civil, como a intenção de simplificar os processos não inseriu nenhuma área que permitisse a simplificação dos procedimentos agora exigidos.

Sobre o Universitas

Universitas é o programa da Académica da Madeira que congrega a oferta de acções de acolhimento, de acompanhamento e de inserção na vida activa dos futuros, actuais e antigos estudantes universitários. Assente na transmissão de valores, na construção de oportunidades e na valorização da cidadania, desenvolvemos várias iniciativas que espelham a raiz latina do conceito de universalidade, de totalidade, de companhia e de associação do vocábulo universitas. Pretendemos informar os candidatos ao Ensino Superior, através de visitas educativas pelos espaços da Universidade da Madeira; acolher os novos estudantes, com a promoção de actividades de acesso à informação e ao funcionamento da Academia; acompanhar os estudantes e antigos estudantes promovendo projectos e programas nacionais e internacionais que constituam oportunidades de integração na vida activa.

Criado em 2017, o programa Universitas promove a acção de integração dos ​novos ​estudantes do Ensino Superior, pela via da ciência e da cultura, pretendendo dinamizar a procura activa de conhecimento e de competências capazes de garantir o sucesso no mercado de trabalho. Juntam-se ao nosso programa as visitas educativas que são realizadas pelos espaços da Universidade da Madeira, a centenas de estudantes dos Ensinos Básico e Secundários, e a promoção dos programas europeus que se configuram como oportunidades ímpares na construção de um futuro promissor para os jovens madeirenses.

O Apoio ao Estudante, matriz identitária e fulcral da nossa estrutura associativa, é uma componente central do Universitas, exercida através de políticas locais e nacionais. As acções de proximidade, através de uma actuação junto dos estudantes com o apoio ao seu quotidiano académico, são complementadas com uma participação activa nas políticas do ensino superior e da juventude.