Visitas ao Campus da Penteada
8 de Novembro de 2016.
Alfândega Nova – Visitas
8 de Novembro de 2016.

Alfândega Nova – Contexto Histórico

ALFÂNDEGA NOVA

A primeira alfândega do Funchal, junto da Ribeira de Santa Luzia, foi fundada em 1477. A partir de 1515, el-Rei D. Manuel I de Portugal mandou erguer a Alfândega Nova no seu canavial-de-açúcar o Chão do Duque. A obra viria a ser colocada sob a direcção de Pêro Anes, mestre-carpinteiro da Catedral do Funchal. Nos séculos seguintes, o edifício foi fortificado e ampliado e em 1940 tornou-se Monumento Nacional.

Nos anos 1980, a Alfândega Nova foi reabilitada pelo Arquitecto Chorão Ramalho, para acolher a Assembleia Legislativa Regional, incorporando-se uma moderna ala Sul sob o antigo fosso da fortaleza de Santo António da Alfândega.

Da construção manuelina existem a enorme Sala dos Contos, reservada à arrecadação dos materiais taxados, hoje usada como sala de actos. Sobre ela estão as antigas salas de despacho da Alfândega, ocupadas, entre outros, pela Biblioteca e pela Sala-de-Estar. O edifício manuelino apresenta detalhes de grande valor: colunas, arcos, portas em arquivolta, gárgulas, cachorros e janelas geminadas. No interior, bonitos tectos de alvenaria de alfarge, de inspiração mudéjar, recriam as peças originais de Pêro Anes.

Das reformas seguintes, encontramos toda uma área de inspiração maneirista, barroca e pós-modernista. Peças da antiga fortaleza, o mobiliário e a colecção de arte são testemunhos da história local e nacional nos últimos 400 anos.

Do século XVIII, a Capela de Santo António da Mouraria, recentemente restaurada, apresenta uma boa colecção de produções portuguesas, sobretudo madeirenses, de escultura e de pintura, entre outros tipos de arte.